31/08/2006

Un AVE para 100 anos

Futura ponte do Sionlla (perto de Oroso), no treito entre Santiago e A Coruña (in VideaLab, UDC).

Hoxe o convidado da entrevista da mañá na TVG foi o meu antigo profesor Miguel Rodríguez Bugarín, catedrático de Ferrocarrís da Universidade da Coruña.

Basicamente, a crítica subxacente baixo as verbas sempre comedidas e educadas do profesor é que os trazados do AVE estanse a decidir de maneira política e non técnica.

No Xapón adican moitas horas de traballo e investigación en planificación territorial para gañar un minuto de tempo nun trayecto de 100 km. En España calquera que chega a un alto cargo político no que apenas vai estar catro anos elixe a súa solución, moitas veces baseada mais no protagonismo persoal do que en criterios técnicos racionais.

Xa que a liña AVE é unha infraestructura cun grande impacte na economía e que non vai ser modificada no sustancial durante un século, sería conveniente facer as cousas con moito siso e apoiarse sempre na opinión dos que mais saben.

27/08/2006

Toponimia: Llanfair­pwllgwyngyll

Esta é unha pequena homenaxe aos meus veciños galeses, que non se avergoñan de utilizar a toponimia en galés, como debe ser.

O que len no cartaz é o nome completo de vila mais longo do Reino Unido. Pronuncialo é só para os valentes. Eu digo abreviadamente Llanfair que sería pronunciado algo así como /'hlan vair/.

Non teño mínima idea sobre o nome de vila mais longo da Galiza mas sospeito que Santa María das Pontes de García Rodríguez non andará lonxe do obxectivo.

New Orleans: cidade no limbo

Capa do livro Breach of Faith: Hurricane Katrina and the Near Death of a Great American City. Jed Horne

Um ano depois do furacão Katrina que destruiu os diques e inundou o 80% de Nova Orleães, uma grande cidade no país mais poderoso do mundo, a maioria dos governos continuam despreparados para os grandes desastres naturais. Hoje, a situação no estado de Luisiana é assim:
  • 100.000 milhões de euros perdidos
  • 300.000 pessoas sem lar
  • 70% das escolas e 50% dos hospitais fechados
O Katrina é uma lição terrível para todas as economias míopes, focadas só na produtividade imediata, uma nódoa para os que acham que a prevenção é uma despesa e não um investimento.

25/08/2006

A Galiza e o Silicon Valley

Mapa coas actividades do Silicon Valley e arredores, California.

O urbanismo ten unha influencia maior sobre a economía do que sospeitamos mas non sempre o que parece obvio é certo: cidades demasiado ordeadas poden resultar perxudiciais para a criatividade empresarial. Podemos tomar o exemplo californiano do Silicon Valley, a rexión máis productiva do mundo que anteriormente era un deserto, e aplicar estas leccións á Galiza.

Segundo o programador e escritor americano Paul Graham as cidades deberían investir máis na universidade e menos en urbanismo. Un argumento duro, sen dúbida, mais ten o seu ponto de verdade. Básicamente a tese é que o Silicon Valley se formou grazas á personalidade do lugar e ás grandes universidades (Stanford e Univ. de California) que souberan atraír a un tipo de traballador altamente criativo: o nerd.

Xa Guy Kawasaki advertía de que cidades demasiado lindas son ideais para os turistas mas non para os emprendedores (o que en palabras de miña avoa podería resumirse en: isto é bo só para os turistas!). O mesmo autor advirte de que a maioría de start-ups son ideas de enxeñeiros e de científicos, non de MBAs, e que deberíamos centrarnos máis en fomentar unha educación tecnolóxica do que escolas de negocios.

23/08/2006

O exemplo de Perelman

O matemático russo Grisha Perelman de ascendência judia resolveu a conjectura de Poincaré após quase um século. É um dos problemas matemáticos do milénio e por esta causa conseguiu a medalha Field, o maior prémio matemático.

A conjectura diz mais ou menos que a esfera é a única variedade compacta 3D na que qualquer laço fechado (i.e. círculo) pode transformar-se por deformarção num ponto.

Perelman mora em São Petersburgo muito discretamente, em estado de reclusão porque é avesso à publicidade.

De facto, Perelman não gosta de publicar os seus trabalhos nos habituais "journals" científicos mas directamente na internet, de maneira aberta através de uma simples web.

Este génio decidiu surpreender uma vez mais ao mundo inteiro rejeitando a glória de receber uma medalha Field.

21/08/2006

+ Matemática, se faz favor


Tabela da relevância da produção científica espanhola in De León&Zuazo . Vejam que física (3ª), engenharia (6ª), matemática (8ª) enquanto que economia e gestão (20ª),estudos sociais (21ª) . Dá que pensar se o dinheiro está a ser bem investido na universidade espanhola, não sim?

A elite mundial das matemáticas teve ontem em Santiago de Compostela uma assembleia prévia ao encontro da União Matemática Internacional (IMU) da terça-feira em Madri. A matemática espanhola através do galego Manuel de León (CSIC) poderia ter um representante na IMU pela primeira vez na história.

O governo galego fez uma proposta á serio ao MEC para a criação de um centro inter-disciplinar em tecnologia computacional e modelização matemática. Hoje em dia as universidades galegas já estão a colaborar na aplicação da matemática industrial com Endesa, Fenosa, Fujitsu, Izar e Caixa Galicia entre outros.

Isto somado ao CESGA e o super-computador Finis Terrae que chegará em 2007 faz que a Galiza tenha hipóteses de criar um cluster de referência na simulação e modelização matemática.

O nível de matemática revela-se no quotidiano. Segum a notícia do diario, a Espanha só produz 198 parelhas de sapatos mas a 15 milhões de euros cada uma (serão para Imelda Marcos). Façam as contas.

19/08/2006

A odisea do alugueiro

Cada ano os que pretenden vivir de aluguer en Santiago de Compostela pásanas negras para encontrar unha habitación máis ou menos decente e a un prezo non abusivo.

A cousa é especialmente frustrante se o inquilino for home ou confesar ter parella dado que os discriminadores donos dos inmóbeis prefiren rapazas sen mozo. Ás veces teño pensado se o que realmente queren é montar un burdel.

A media do aluguer dunha habitación en Compostela está arredor dos 160 euros por persoa e mes sempre que non se gaste moito en eletricidade e gas. No entanto, ultimamente non é difícil encontrar donos que piden ata 200 euros en diñeiro negro por unha habitación en condicións que distan moito de ser óptimas.

Eis o noso modelo económico onde os terratentes de mans dadas continúan a vivir dos lucros das rendas mentres os elementos productivos da sociedade ven dezmado o seu salario coma no pior medievo: realmente alguén se sorprende da fuga de cerebros galegos con estas condicións?

15/08/2006

Não alimente o troll

Capa do livro de contos Dos arquivos do trasno. Rafael Dieste.

Um troll (trasno em galego e trasgo em português) é muito mais do que uma figura da tradição celta.

A Wikipédia define ao troll (geralmente masculino) como uma pessoa que envia mensagens na net esperando induzir outras a respostas zangadas ou estéreis. Há quem não tenha o que dizer, quem não tenha educação, quem prefira desqualificar a notícia… Felizmente é uma minoria. Estes são os riscos da liberdade de expressão.

Nos espaços de edição colaborativa como a própria Wikipédia, por vezes surgem conflitos onde é difícil de detectar se um dos intervenientes é um troll ou se tem apenas tem uma opinião divergente.

Nos fórums e bate-papos cria vários perfís falsos, uma identidade boa e uma identidade má, ou apenas a identidade má, e semeia o caos e a discórdia nas comunidades, quebrando toda e qualquer etiqueta

Se o troll não pode ser banido ou moderado, o melhor é ignorá-lo. Se encontrar um deles, lembre: não alimente o troll.

11/08/2006

Freakonomía galega: vacas e blogues

Na Galiza hai case un millón de vacas, case unha por cada tres galegos. O top ten dos nomes máis comúns deste tótem galego son pomba, linda, pinta, branca, marela, moura, morena, negra, roxa e parrula.

Na Galiza tamén hai máis de mil blogues en galego. O 80% dos weblogs criados na Galiza usan o galego como única lingua en calquera das súas variantes ortográficas e outro 15% castellano e galego. Máis de metade dos blogueiros proceden dun ambiente urbano. A relación homes vs mulleres é 60%/40%. frente ao 70%/30% da blogosfera hispana. A maioría das bitácoras en galego adícanse a temas culturais, literarios, de activismo social e de política.

Así o País do millón de vacas que dicía Rivas pasa a se converter no dos mil blogues.

09/08/2006

Faltan meios ou sobran incendios?

Deseño de Pánchez in Aduaneiros sem fronteiras.

En Portugal hai case 1.000 efectivos para facer fronte a 17 incendios nun territorio de 97.000 km2. Na Galiza 4.700 bombeiros (5 veces máis) para máis de 100 incendios (6 veces máis) e un territorio de 27.000 km2 (máis de 3 veces menos). A proporción de efectivos é aproximadamente a mesma, mas a dotación por km2 é máis de 15 veces maior na Galiza. Para causas poden valer a apontadas no post de abaixo Arde Galiza.

Todo se pode mellorar mas os meios que temos nunca serán suficientes ante quen nunca respeita a nosa paisaxe, a xente e o noso País. Todos os esforzos son necesarios. Moitas grazas pola axuda de Portugal e doutras comunidades do Estado Español (especialmente das Astúrias) nas labouras de extinción.

Pódense consultar os dados oficiais da evolución do lume na Consellería do Meio Rural.

08/08/2006

O fogo ao vivo

A vergonha vermelha que está a destruir os nossos bosques pode ser vista ao vivo desde a a web do Naval European Meteorology and Oceanography Center (NMOC) . As arrepiantes imagens da fumaça que vai da província de Ponte-Vedra até ao Oceano Atlântico passando pelo Norte de Portugal amostram às claras a gravidade duma situação que ultrapassa o âmbito local atingindo a toda a Galiza.

INFORMATIVOSTELECINCO.COM: Según el director general de la Benemérita, Joan Mesquida, Galicia es un punto especialmente sensible en materia de incendios. Un número elevado de los fuegos son intencionados y no se descarta relacionar el fuego con mafias organizadas.

07/08/2006

Arqui-chatices

O território galego tem sido invadido por uma arquitectura de má qualidade, sem que tal provoque significativo sobressalto da sociedade ou da classe política.

Mesmo em cidades com uma excelente arquitectura como A Corunha, nas últimas décadas tem-se assistido a uma sucessiva demolição de bons edificios antigos para serem substituidos por novas peças de péssimo gosto.

Se existe uma arquitectura de má qualidade, isto não se deve à falta de arquitectos, como o desordenamento do território não é por falta de bons engenheiros.

Má arquitectura e mau urbanismo não são problemas independentes mas consecutivos. A educação no bom gosto é vital: não vale tudo.

Arde Galiza

O fogo trouxe de novo a tragédia à Galiza, con três vítimas mortais e milhares de ha queimadas.

Embora nenhuma parte da Europa atinja cifras semelhantes às que se temos cá, para muitos galegos, os incêndios florestais já são parte da paisagem quotidiana deste País.

Viver das rendas dum urbanismo tão lucrativo como cruel, as indústrias do tabuleiro e da pasta de papel em base às espécies de crescimento rápido (pinheiro e eucalipto), as vinganças vandálicas entre vizinhos, a falta de sensivilidade social e a legge della omertà perante estas acções e a crise da estrutura rural converteram à Galiza no cenário perfeito para este inferno um ano mais.

No entanto, saibam que quem brinca com o fogo normalmente queima-se.

Por quê os salários são baixos?

Embora a Galiza não seja pobre, os salários dos galegos são anormalmente baixos o que põe em causa o nosso modelo.

1- A nossa competitividade não se baseia na qualidade (no valor acrescentado) do produto ou serviço mas no preço.

2- Os recursos públicos disponíveis para atrair bons projetos são escassos e muitas vezes são desperdiçados em projetos sem uma estratégia comum clara.

3- Os galegos temos uma aversão ao risco e ao que não se pode tocar com as mãos e assim acreditamos, infelizmente, mais no tradicional betão do que nas novas tecnologias.

4- O galego não chora, emigra, como na foto de Manuel Ferrol. A emigração é uma maneira de renúncia à revolta.

06/08/2006

Vale a pena estudar?

De um ponto de vista colectivo, existe uma relação entre a formação académica e o desenvolvimento económico de um país, mas a relação está longe de ser 1:1.

De um ponto de vista individual, qual é a rendibilidade deste investimento? que diferença fará dentro de 20 anos terminar ou não terminar um curso universitário agora?

Para mim, a principal razão para estudar mais é o facto de isso nos proporcionar uma boa base para aprendermos a pensar mais claramente sobre um vasto leque de assuntos. Além disso o conhecimento dá imenso prazer. Vale a pena estudar mas o que não vale a pena é estudar e deixar de lado família, amigos e actividades culturais em nome de uma posição melhor na sociedade.

Afinal a ideia de estudar é ser uma pessoa mais completa e mais feliz.

02/08/2006

Outsourcing / Insourcing

Ilustração: Tirada por Xisbe. A comida para levar é um exemplo de outsourcing doméstico.

O outsourcing é o conceito de moda nas empresas europeias. Poder-se-ia traduzir como uma “externalização” de actividades da empresa principalmente para reduzir custos (a clássica sub-contratação) ou porque não se possui o know-how. O aumento da competitividade dos mercados forçou as empresas a passarem a concentrar os seus melhores recursos no seu negócio vital. Por outro lado, há cada vez mais especialistas no mercado dispostos a resolver qualquer problema a qualquer lugar e hora.

Os projetos de outsourcing não estão isentos de perigos. Podem fracassar devido à falta de envolvimento por parte do chefe executivo, à perda de controlo do projeto, a tendência em considerar o outsourcing como um fim ou as dificuldades de comunicação e adaptação.

A inovação, o talento e a criatividade não surgem por geração espontânea e têm muito a ver com uma visão global das coisas. O conceito oposto ao outsourcing é o insourcing; uma ferramenta para gerir que visa a agregação de uma tarefa até então desempenhada noutro ponto da cadeia de valor. Pode ajudar às empresas a crescer, a inovar e diversificar-se mas fazem falta pessoas com uma formação geral (não especialista) de engenharia e de gestão.

01/08/2006

Boloña: masters oficiais

Estamos de sorte. Para o vindeiro curso 2006/2006 xa están disponíbeis os novos masters oficiais adaptados a Boloña en Computación e TIC na Galiza e Portugal con prezos arredor dos 1000 euros por ano e válidos para quen posúa desde unha titulación de tres anos ou equivalente.


Universidade da Coruña

Mestrado en Informática, Ms. en Enxeñaría Matemática, Ms. en Física Aplicada.


Universidade de Santiago de Compostela

Mestrado en Enxeñaría Biotecnóxica, Ms. en Enxeñaría Matemática.


Universidade de Vigo

Mestrado en Física Aplicada, Ms. en Enxeñaría Matemática.


UNED

Mestrado en Linguaxes e Sistemas Informáticos, Ms. en Intelixencia Artificial Avanzada.

Os nosos viciños portugueses continúan cos vellos mestrados oficiais para licenciados e acrescentan outros novos dos chamados mestrados integrados, para titulados de tres anos, segundo o esquema de Boloña.


Universidade do Minho

Mestrado Integrado em Engenharia Biomédica, M.i. em Engenharia de Comunicações, M.i. em Electrónica Industrial e Computadores, M.i. em Engenharia e Gestão Industrial, M.i. em Engenharia Informática.


Universidade do Porto

Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e Computadores, M.i. Engenharia Industrial e Gestão, M.i. em Engenharia Informática e Computação


Universidade de Trás-Os-Montes e Alto Douro

Mestrado Integrado em Informática, M.i. em Comunicação e Multimédia.