20/09/2006

Ibarra acertou co software libre

Se ben Rodríguez Ibarra representa a vella garda dun socialismo demodé, hai que recoñecerlle o mérito de loitar polo mellor para a súa terra. Errou no obxectivo da súa xenreira: non debería ter ollado tanto para Cataluña, senón tamén para a máis próxima comunidade do oso, que alén de ser a máis rica de todas, é a que empregou a meirande parte do PIB estatal en remozar as súas autovías, estacións de tren e aeroporto.

Apesar dos erros, hai unha cousa pola que merecería especialmente ser louvado pola modernidade. A Extremadura leva varios anos fomentando o software libre (open source) con suceso. Hoxe en día é a administración da UE menos dependente do software comercial con copyright (enténdase principalmente Microsofte e a ditadura do Windows, Word, Explorer, etc). A súa distribución do sistema operativo aberto e gratuito Linex está ben estendida no eido académico, incluso a nível estatal. De facto, IBM anunciou recentemente o estabelecemento dun grande centro de producción de software en Badajoz.

Certo é que a Extremadura continúa a ser a comunidade máis pobre mas recurtou distancias grazas ao salto tecnolóxico e sentou as bases para aspirar a un futuro mellor.

Oxalá que a chegada do supercomputador Finis Terrae ao CESGA e os novos mestrados e doutorados sirvan de revulsivo para saírmos do modelo económico do cemento e apostar dunha vez polo valor engadido da nosa incipiente industria tecnolóxica.

13/09/2006

Ministro a Alta Velocidade

Possível foto do cão do ministro na viatura.

É possível ler no semanário Expresso.pt que o Ministro da Economia do país vizinho foi apanhado pelo radar com excesso de velocidade na A1 (Lisboa - Porto). O carro, um Jaguar de 3 litros a gasolina, poderia ter circulado a 180 km/h.

A Associação de Cidadãos Auto-Mobilizados requereu à Direcção-Geral de Viação a aplicação de sanções ao senhor Ministro como autor moral da infracção. O interesse de chegar mais cedo era do ministro e não do motorista, o qual agiu por ordem do político.

O senhor Ministro alegou que o seu veículo ia a alta velocidade por estar em "serviço público urgente" e que "não fará qualquer comentário sobre este assunto".

Eu creio que muitos são os galegos alguma vez encontraram algúm Audi preto ou cinzento de vidros tintados na A-9 a muito mais de 120 km/h em sentido Santiago, quando esta gente deveria ser a primeira a dar exemplo.

11/09/2006

Banca on-line

L'Associazione Bancaria Italiana difende il diritto all'imbroglio. Politbjuro.it

Apesar de que a Galiza continúa na cauda no uso de internet, a banca on-line rexistrou un crecemento espectacular debido á axilidade no trading e á ausencia de moitas comisións da banca presencial.

Os principais bancos españois que operan en liña (IBanesto, Bancopopular-e, Uno-e, e-Bankinter, Patagon e Openbank) tiveron no primeiro semestre deste ano uns beneficios superiores aos 15 millóns de euros, o que supón multiplicar por cinco os resultados do ano pasado. Uno-e, do BBVA, foi a entidade con maiores lucros. Outra das grandes entidades é ING Direct mas ao ser sucursal dun banco neerlandés non presentou os seus resultados xa que non se lle pode aplicar a lei española.

Na Galiza os principais bancos galegos on-line por número de clientes son Caixa Activa (Caixa Galicia) e Oficina Directa (Pastor).

Operar pola net ten moitas vantaxes se tamén se ten perto unha oficina para solventar algunhas xestións. Nalgúns caso, darse de baixa dun servizo (p.ex. cartón de crédito, domiciliacións) pode demorar mais dun mes nalgunhas entidades e para iso aínda é bo ter a man unha oficina na que poder queixarse en persoa.

A Galiza nipona

Capa de Ghost in the shell, um animé sobre o futuro numa sociedade maquinista.

A sociedade japonesa comparte com a galega uma taxa de suicidio superior a 5 por 100.000 cada ano, sendo a época pior na primavera e no verão.

Maioria dos galegos da geração-X, como eu próprio, crescemos com o animé de Akira Toriyama (Dr. Slump, Dragon Ball). Hoje a estrela é Shin Chan, que amostra no fundo uma sociedade japonesa muito competitiva, em que o casal anda quase todo o dia quer no trabalho quer no centro comercial, onde é impossível deslocarse a pé e os filhos são únicos e passam a jornada inteira na escola.

Baseado na arte erótica oriental que já existia há mais de quatrocentos anos apareceu também o hentai moderno após a derrota japonesa da Segunda Guerra Mundial. A pornografia é limitada no Japão e o hentai mais perverso é uma válvula de escape às pressões do quotidiano.

Quando as pessoas decidem demitir-se da vida como na Galiza e no Japão significa que algo está doente nas nossas sociedades pós-industriais e nem sequer as válvulas de escape funcionam. Cá encontramos todos os dias sintomas de enfermidade social no elevado grau de alcoolismo, nos suicídios, no narcotráfego, nos acidentes de trânsito, nos incêndios, etc...

08/09/2006

Bugs: historia dun bicho

Non, esta postaxe non vai de Miguel Torga. Falta pouco para o aniversario do primeiro bug (erro) informático documentado.

O termo bug (bicho en galego) foi asociado a interferencias electrónicas e erros no funcionamento de aparellos eléctricos desde moito tempo atrás. Parece que foi Thomas Edison un dos primeiros en empregar esta palabra neste sentido, se ben a súa popularización na incipiente informática de meados de século débese a Grace Murray Hooper (9 de setembro, 1945) cando, segundo di a lenda informática, unha avelaíña (inglés: moth) causou un fallo eléctrico na calculadora-computadora Aiken da universidade de Harvard.

Hoxe a maioría de bugs son de software mas o termo aínda persiste. Aínda que tampouco se poden considerar en sentido estrito bugs, os erros máis habitais na net poderían ser estes dous:
  • Familia de erros 400: A páxina non existe ou foi borrada.
  • Familia de erros 500: Aparece cando o server remoto no que está a web está saturado ou non é capaz de encontrar a web que lle pedimos.

07/09/2006

O tamanho importa

Ti dis: Galiza é ben pequena. Eu dígoche: Galiza é un mundo. Pode ser ela pequena en extensión. En fondura, en entidade, é tan grande como queiras. Vicente Risco.

Embora boa parte da vida de Risco não seja digna de admiração, esta frase formosíssima que escutei ao começo de um programa da TVG é inspiradora e própria do brilhante pensador que alguma vez foi. E até talvez tenha algo de razão desde um ponto de vista pragmático: dos dez países com a maior renda per cápita só um tem mais de dez milhões de população, os Estados Unidos da América. Em destaque, a Suíça com 7m e a Noruega com 4m.

Desde os tempos de Aristóteles se tem debatido a questão do tamanho óptimo da administração duma cidade. Uma cidade imensa maneja grandes orçamentos mas esta eficiência perde-se quando a população está muito dispersa e nas cidades pequenas, apesar de o custo de estrutura por cabeça ser um bocado maior, as pessoas semelham mais conscientes das despesas e o governo local pode agir com proximidade e rapidez.

Até a biologia pensa que os dinossauros se extinguiram por excesso de tamanho. Eu pessoalmente não me sinto folgado numa cidade de mais de meio milhão de habitantes.

05/09/2006

Iberia e Ryanair

Onte lin no xornal online 20minutos que Ryanair regalaba billetes en Barcelona por protestar contra Iberia mas os berros voltáronse en contra de ambas ao non ter billetes dabondo para os manifestantes congregados. Curiosa medida de marketing de guerrilla. Na Galiza tamén temos a nosa particular batalla, sobre todo nos voos británicos. Eis algunhas diferenzas:

Iberia voa desde A Coruña a Heathrow que é o aeroporto londinense máis céntrico e o que está mellor conectado se imos a outra cidade se o compararmos con Stansted (Essex, Norte de Londres), os lugares están numerados e só son precisos 45 minutos previos en lugar das 2 horas de check-in de Ryanair, tarda 30 minutos menos en voo, permite facturar 5 kg mais de equipaxe que a compañía irlandesa, a tripulación fala en lingua romance e o Airbus é máis cómodo que o Boeing.

Pola contra Ryanair voa desde Lavacolla, que dá mellor servizo ao sul da Galiza e voa tanto a Londres-Stansted como a Liverpool (desde outubro), soe ser un chisco mais barata e nótase especialmente nos meses nos que voa menos xente, permite levar 5 kg máis de equipaxe de man, é mais exacta que Iberia e probabelmente nunca deixarán a nosa equipaxe en terra para meter a da duquesa de Alba.

A min persoalmente encántame a competencia e aínda que costumo voar con Iberia agradezo a Ryanair a sua implantación na Galiza que permitiu por fin a un monopolio. Desde aquela a compañía española mellorou bastante a política de prezos.

02/09/2006

Além do Norte de Portugal

Túnel Airton Senna em São Paulo.

Apesar da impressionante reengenharia e renovação dos sectores industriais da Galiza e do Norte de Portugal nos últimos anos, como o têxtil, o alimentar, os móveis e o automovilístico, apesar de o país vizinho ser o nosso principal destino de exportação se exceptuamos a produção da fábrica de automóveis da Citroën de Vigo, ainda assim continuamos a ter uma falta de visão internacional nos negócios.

A Lusofonia representa mais de 200 milhões de pessoas no mundo. O PIB lusófono cresceu no ano passado a um ritmo de 7%, havendo sido os crescimentos maiores os de Moçambique e a Angola. Constitui, pois, um mercado considerável com perspectivas de crescimento notáveis onde a Galiza poderia fazer muito. Brasil é mais do que axé e futebol; oferece uma espectacular potência económica emergente e será o principal produtor mundial de bio-combustíveis, substitutos limpos e renováveis do petróleo, e o principal utente e produtor de software livre.

Grande parte da Lusofonia tem necessidade de edifícios, de rodovias e caminhos de ferro, de universidades, de tecnologia, de conhecimentos técnicos da mais diversa classe que os nossos empresários e profissionais especializados poderiam fornecer.