07/09/2006

O tamanho importa

Ti dis: Galiza é ben pequena. Eu dígoche: Galiza é un mundo. Pode ser ela pequena en extensión. En fondura, en entidade, é tan grande como queiras. Vicente Risco.

Embora boa parte da vida de Risco não seja digna de admiração, esta frase formosíssima que escutei ao começo de um programa da TVG é inspiradora e própria do brilhante pensador que alguma vez foi. E até talvez tenha algo de razão desde um ponto de vista pragmático: dos dez países com a maior renda per cápita só um tem mais de dez milhões de população, os Estados Unidos da América. Em destaque, a Suíça com 7m e a Noruega com 4m.

Desde os tempos de Aristóteles se tem debatido a questão do tamanho óptimo da administração duma cidade. Uma cidade imensa maneja grandes orçamentos mas esta eficiência perde-se quando a população está muito dispersa e nas cidades pequenas, apesar de o custo de estrutura por cabeça ser um bocado maior, as pessoas semelham mais conscientes das despesas e o governo local pode agir com proximidade e rapidez.

Até a biologia pensa que os dinossauros se extinguiram por excesso de tamanho. Eu pessoalmente não me sinto folgado numa cidade de mais de meio milhão de habitantes.