27/12/2020

Por que não consegue entender livros de ciência e tecnologia?

Frequentemente, nos livros didáticos de matemática e física, os autores omitem etapas cruciais e o deixam perdido. Além disso, a compreensão de livros técnicos geralmente requer um amplo conhecimento das ciências e das matemáticas envolvidas. Se não tiver experiência, será como tentar ler um livro em uma língua estrangeira

Se está tentando ser autodidata, use a internet. Pode usar um livro didático como um guia para os tópicos a estudar em que ordem e para começar em cada tópico, mas quando você se sentir confuso, vá online e Google qualquer tópico sobre o qual você está confuso. Provavelmente, encontrará vários sites com diferentes explicações sobre o mesmo tópico. Examine-os até encontrar um que faça sentido para si. O YouTube também pode ser muito útil aqui.



Eu li minha cota de livros didáticos de ciência e tecnologia de nível pós-graduação e percebi que existem principalmente dois tipos de compreensão nessas áreas:

- Uma compreensão conceitual dos tópicos sem chegar ao núcleo dos problemas. Provavelmente, você conseguirá convencer as pessoas de que conhece esses tópicos, porque é capaz de explicá-los de forma que a maioria das pessoas os entenda. Muitos gerentes, consultores e até professores estão presos neste nível.

- Uma compreensão profunda dos tópicos, que vem resolvendo problema após problema e refletindo sobre eles. Você terá um entendimento completo dos tópicos adquiridos ao trabalhar através de exercícios e poderá aplicar o que aprendeu para resolver problemas semelhantes a esses tópicos. Para ter certeza de que não está entendendo erradamente, pelo menos no início, porém, é uma boa ideia verificar suas ideias com alguém que tenha mais experiência e conhecimento no assunto.

Ler um livro técnico para obter um entendimento mais profundo não é uma abordagem rápida ou fácil, mas vale a pena no longo prazo.


06/02/2019

A minha opinião sobre a Universidade Aberta de Portugal

A Universidade Aberta de Portugal (UAb) é uma universidade pública à distância, isto é, é uma universidade sob controle do governo português. Oferece graus e diplomas acreditados comparáveis aos oferecidos por outras universidades portuguesas e europeias. Os professores responsáveis pelos assuntos são fantásticos, as mesmas pessoas excelentes que você pode encontrar em qualquer outra universidade em Lisboa. De acordo com minha experiência, alguns programas educacionais tendem a ser ligeiramente teóricos mas são sólidos, a avaliação é rigorosa e os padrões acadêmicos são corretos.
Ao ser uma universidade de ensino à distância, os estudantes têm colegas de todo o mundo lusófono (Portugal, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe, Angola, Moçambique, Timor-Leste, Macau) e das comunidades emigrantes destes países.

Infelizmente, os cursos de e-learning ainda têm uma injusta reputação por serem menos prestigiosos ou menos empregáveis. Em comparação com a Open University ou com a UNED em Espanha, a Aberta é uma universidade pequena e nova que precisa de ganhar alguma visibilidade e impacto na sociedade portuguesa, mas, apesar de tudo, a Aberta é uma muito boa universidade.

Talvez esteja interessado no post intitulado Universidades com doutoramento a distância

15/01/2018

Por que quase todos os engenheiros somos conservadores?

Não sei se estou a fazer uma grave generalidade, mas ao meu ver os engenheiros somos uma raça diferente de pessoas geralmente muito conservadoras. Em muitos casos, somos exatamente o que é necessário para um problema, podemos ser realistas e orientados para a solução. Mas às vezes, oh meu Deus, podemos ser muito irritantes em áreas cinzentas e muito inflexíveis com outros colegas. Amamos as leis e abominamos a desordem e o caos. Às vezes, podemos ser impiedosamente eficientes mas trágicamente também.

Para um engenheiro é mais provável acreditar que o setor privado é mais eficiente do que a burocracia governamental e a eficiência é um valor precioso na engenharia. Os engenheiros somos habitualmente mais receptivos à ideia de um homem de negócios que pode ver as coisas com novos olhos e agilizar  procedimentos e sistemas.

Os engenheiros devemos trabalhar muito para ter sucesso, e as pessoas que são bem-sucedidas geralmente têm uma fé maior na responsabilidade individual, que é um valor conservador. De facto, os engenheiros tendemos a ser excessivamente confiantes. Os engenheiros somos geralmente fiscalmente conservadores porque, acima de tudo, os engenheiros acreditam na meritocracia. Neste ambiente, os baixos impostos significam mais do que a solidariedade social.

11/02/2017

Por que um engenheiro escreve um blogue?

Para comunicar os meus pensamentos e o que faço. Simples. Não tenciono ser um campeão de audiência. O que quero é apresentar conteúdos e reflexões sobre diversos temas e, especialmente, aprender a transformar uma escrita vulgar em uma escrita cada vez mais sedutora e gostosa de se ler.


No meu caso acho que tenho uma extensa experiência como blogueiro. Comecei com esta Caixa do Mendinho em 2006, em plena febre de blogues em galego derivada de problemas ambientais como o derramamento do Prestige (2002) e a crise dos incêndios (2006). À medida que a comunidade de blogues em galego estava a passar por altos e baixos até o seu declínio atual, as coisas evoluíram naturalmente até a Caixa se tornar um blogue mais especializado em ciência, tecnologia, negócios... mas em português. Em 2007 comecei a escrever Not Only Bridges, em inglês e muito mais focado na engenharia civil. Este último, apesar do concreto do tema, teve uma ordem de magnitude mais de visitas do que a Caixa do Mendinho e a maioria dos seus visitantes habituais são de os EUA.

O total de quase duzentos artigos entre ambos os blogues serviu como uma vitrina para conseguir pequenos mas interessantes projetos como consultor ocasional. A parte mais complexa foi usar a média social para interagir com clientes potenciais. Ainda estou aprendendo muito em como melhor fazer isso: começar a segui-los, ler os seus postes e as suas interações e construir presença. É claro que não se pode esperar que um blogue e as médias sociais sejam a única e principal ferramenta de marketing, mas é claro que podem ajudar a fazer marca pessoal e como catalisador para ulteriores apresentações.

Finalmente, acho que também melhorei as habilidades essenciais para me expressar bem de maneira escrita. Os relatórios e correios eletrónicos são documentos habituais na vida de um engenheiro mas estas atividades não estimulam o processo criativo como escrever um blogue. Esta escrita foi útil para organizar e arquivar pensamentos, para fazer com que esse pensamento flua de maneira mais coesa e concisa e para expor a crítica pública as minhas ideias. A metodologia de redigir artigos curtos foi uma excelente maneira de produzir conteúdo. Olhando e lendo postes mais antigos, não vejo apenas uma página cheia de artigos, vejo uma biblioteca cheia de teses sobre um determinado assunto.

Foto: Juan Benet por Joaquín Amestoy, Madrid, 1977.